Os Globalistas Usam Igrejas Fantoches para Escravizar a Humanidade

Originally appeared at: The Inkless Pen

Nós temos nos Estados Unidos uma conveniente ilusão que é mantida de várias formas. Essa ilusão é a "separação entre igreja e estado".

Pelo contrário, nos EUA o Governo está mais do que disposto em usar a "religião" para a propagação de sua agenda. De fato, não é exagero, creio, propor que a atual agenda global é extramamente religiosa em sua natureza. Ela absolutamente não é antirreligiosa, contudo, é completamente antiCristã (aqueles que advogam a "separação entre igreja e estado" nos Estados Unidos são os mesmos que envolvem igrejas e estados em outros países. As táticas são os dois lados de uma mesma moeda).

Uma nova mentalidade e narrativa global deve emergir. A fim de que isso aconteça, a "velha" mentalidade deve ser erradicada: o Cristianismo, especialmente a Ortodoxia. Eu recomendo [ler] Jay Dyer sobre esse tópico. Ele tem feito um trabalho muito bem embasado sobre o assunto. Interessados podem encontrar certas palestras sobre isso em seu website, aqui vai uma para começar.

É de extrema importância entender que o sistema atual está muito interessado em religião e em seu controle. O atual efeito antiCristão em Roma é uma manifestação desta agenda. Um Cristianismo descristianizado.

Portanto, não é de se surpreender quando agitações começam a surgir de que Joe Biden e outros do governo dos EUA estejam pressionando o Patriarca de Jerusalém a reconhecer o grupo falso e cismático na Ucrânia.

Isso ajuda a criar um contexto para o "reconhecimento" desse grupo pela Igreja da Grécia e pelo Patriarcado de Alexandria.

Joe Biden e seus comparsas têm estado ativos na Ucrânia em diversas esferas já há muitos anos. O atual "escândalo" na "imprenstitua" Americana [em inglês, presstitute, um trocadilho com as palavras imprensa e prostituta - N.T.] acerca da Ucrânia é senão uma tentativa desesperada de desviar a atenção da realidade de que Biden, quando servia  durante o governo Obama, esteve envolvido na pilhagem criminosa de um país já empobrecido por ganho próprio. Isso não é surpreendente. Eu li sobre isso já há anos. Aqui vai um artigo de 2014 abordando a pilhagem Americana da Ucrânia. Eis aqui outro

Agora, a pessoa perspicaz começará a ligar os pontos. Biden também está muito conectado com o Patriarca Ecumênico. Ele recebeu o prêmio de "direitos humanos" Atenágoras do Patriarcado Ecumênico e da Arquidiocese Grega da América.

Ainda cedo no processo de criar uma grupo religioso globalista na Ucrânia, Biden se encontrou com Filareto (o então líder dos cismáticos, que desde então foi descartado) e anunciou seu apoio ao grupo cismático. Coincidência? Não penso que seja.

Estima-se que Biden e seu filho tenham feito cerca de 16.5 mi de dólares às custas dos Ucranianos. Mas que grande guerreiro dos direitos humanos!

O grupo cismático na Ucrânia é apenas um exemplo da disposição dos poderes globais atuais de utilizarem a "religião/igreja" como ferramentas para alcançarem seus propósitos. Eles não têm nenhum interesse em manter a separação "entre igreja e estado"; eles têm todas as intenções de infiltrar e manipular. Eles querem uma forma de "ortodoxia" que seja seu servo fiel.

Alguém pode ser, de acordo com seu programa, genericamente religioso, mas ele não pode ser um Ortodoxo fiel. Logo tem-se a agenda de criar um grupo "ortodoxo" externamente correto, que tenha vendido sua alma aos senhores deste século. Um exemplo pertinente acerca do qual eu me pronunciei no passado é o Uniatismo. Externamente eles se parecem "ortodoxos", mas o interior está cheio de morte: ossos de homens mortos. O Patriarcado Ecumênico e seus cismáticos nada fazem além de formar um novo uniatismo.

Deve ser abundantemente claro para qualquer pessoa de mente sóbria que Biden e outros de sua laia não se importante verdadeiramente com a Ortodoxia ou com a Ucrânia. É preciso também perguntar: por que é que pessoas dessa laia estão intrincavelmente unidas na criação de um grupo cismático na Ucrânia sob o Patriarcado Ecumênico? Há uma boa resposta para isso e ela não tem nada a ver com a busca do reino dos Céus.

É também muito preocupante que o Patriarcado Ecumênico e outros estejam dispostos a trabalhar com tais pessoas antiCristãs. Eles estão trabalhando para os mesmos fins neo-ecumênicos: uma mescla entre estado e religião para criar uma espiritualidade pan-religiosa que globalizará a humanidade. Os evangelistas da globalização são fervorosos ao pregar sua religião.

A pressão só irá aumentar.


O Pe. Zechariah é um sacerdote Ortodoxo em Pueblo, Colorado, na Igreja Ortodoxa de São Miguel Arcanjo. Ele escreve para o blog The Inkless Pen, e é um colaborador frequente do Fé Russa.

Pe. Zechariah Lynch e sua esposa Natalia