Reverendo Ancião Gabriel do Athos Condena Bartolomeu sobre a Ucrânia em uma Carta Mordaz

Originally appeared at: Orthochristian.com

O ancião Gabriel da Kelli de São Cristodoulos, do Monastério de Koutloumousiou, escreveu uma carta aberta com palavras duras ao Patriarca Bartolomeu, condenando seu abuso e negligência dos sagrados cânones e dos dogmas Ortodoxos, tanto em relação a Ucrânia quanto a sua geral disposição ecumênica.

Pe. Gabriel foi um discípulo do grande São Paisios, o Athonita, e ele mesmo é hoje um dos anciãos mais veneráveis da Santa Montanha. Como é característico dos santos anciãos, ele não se acovardou e falou duras verdades quando creu que a ocasião exigia.

Por exemplo, ele foi um dos vários Athonitas que se dirigiram aos abades dos 20 monastérios governantes em 2006 após o Papa Bento XVI ter sido permitido participar liturgicamente na festa de São André em Constantinopla naquele ano. No ano de 2016, ele encabeçou um grupo de padres que exortaram a Sagrada Comunidade a rejeitar o Concílio de Creta e, antes naquele ano, ele esteve entre os 12 anciãos Athonitas que se dirigiram à Sagrada Comunidade em defesa da canônica Igreja Ucraniana, condenando a falta de respeito do Patriarca pelos cânones.

Em contrapartida, o Monastério Koutloumousiou, ao qual pertence a kelli do Ancião, está entre os apoiadores mais sonoros do Patriarca.

A última carta do Ancião Gabriel é do dia 24 de outubro, tendo sido originalmente publicada no katanixi.gr. Está também disponível sua tradução em Russo e Ucraniano, da União dos Jornalistas Ortodoxos.

O Ancião começa sua carta notando que ele gostaria de prestar reverência ao Patriarca Bartolomeu: "Eu muito quis, durante sua última visita à Santa Montanha da nossa Mãe de Deus, a Theotokos, receber sua benção e beijar seus pés, mas eu já não posso mais fazer isso, porque há muito isso se tornou imoral".

"Você gostaria de saber o porquê?", pergunta antes de listar suas queixas.

"Em diálogos infrutíferos e ardilosos com os heréticos", escreveu, "você traiu a Una Igreja Ortodoxa, múltiplas vezes reconhecendo a 'diversidade' nos santos ensinamentos de nossa Igreja e o caráter eclesiástico em reuniões sectárias dos Monofisitas, do Papa e dos que rejeitam a Theotokos, dos Protestantes iconoclastas".

Ele também censurou o Patriarca por sua censura dos grandes professores da Igreja, dirigida à delegação Católica Romana que visitava durante a festa de São André, em 1998: "Anteriormente, você amaldiçoou os Santos Pais de modo oficial e irrevogável como 'desafortunadas vítimas da serpente, que é o chefe de todos os males', para que estivesse livre de acatar suas exortações inspiradas por Deus".

A proximidade do Patriarca Bartolomeu com os heréticos é uma questão muito séria, na visão do Ancião Gabriel: "Você é um inimigo do Deus Triuno e de nossa Mãe de Deus, porque você mantém uma amizade institucional com heréticos e heterodoxos conscientes e impenitentes, com os que estão pervertidos, e pecam, estando já em si mesmo condenados, os primazes da heresia" (Tito 3:11).

"Você terá o mesmo futuro estéril que eles, longe da Terra dos Vivos, se não retornar a fé", alertou o Pe. Gabriel, acrescentando uma citação de um grande pregador e expositor da fé Ortodoxa, São João Crisóstomo: "Aquele que recebe os inimigos do Rei não pode ser um amigo do Rei; ele não é digno da vida".

"Debaixo de sua proteção, toda heresia e inovação encontrou abrigo, não apenas nas dioceses do seu Trono, mas também na Igreja da Grécia e em outras partes", taxou o Ancião. Enquanto o seu clero e seus teólogos, premiados pelo Patriarca, louvam seu "iluminado Patriarca", o Ancião Gabriel escreveu que eles são, de fato, "todos os pioneiros e exárcas de toda nova sorte de engano teológico e inovações institucionais, desde a teologia pós-Patrística e o culto ecológico e pagão da terra, até a restauração dos cismáticos na Ucrânia, sem que houvesse arrependimento".

"Com você, todos esses lobos espirituais encontram refúgio e justificação da tempestuosa condenação do clero e do rebanho Ortodoxo, e você é seu pastor e patrono", continuou o Ancião.

Depois, ele condenou os constantes esforços do Patriarca para "cultivar na plenitude da Igreja a percepção de que tudo que [...] o Patriarcado Ecumênico deseja é o governo da Igreja [...] como outro Papa".

"Quão intensamente todos os santos te criticam", acrescentou.

Em palavras e ações, o Patriarca Bartolomeu desonra os cânones dos Apóstolos, dos Concílios Ecumênicos e Locais, e os Santos Pais, "que proibiram estritamente orações conjuntas, amizade e culto conjunto com os heréticos".

Tamanho desrespeito pelos cânones diz muito, crê o Pe. Gabriel: "Portanto, você demonstra que não crê em Deus, na alma imortal, no mundo invisível, no Paraíso e no inferno, no Julgamento vindouro e na retribuição".

"Será, Sua Santidade, que seus encontros frequentes com os representantes e mecenas de ordens Maçônicas, dentre outras, testificam que você possua uma enigmática e elevada posição e status que sejam incompatíveis e hostis para a fé Ortodoxa?", cogita o Ancião.

O Patriarca Bartolomeu e o Patriarcado não somente promovem o ecumenismo, mas eles também isolam e silenciam aqueles que não concordam, escreveu o Pe. Gabriel. "Quando possível, você faz uso de interferência política, como foi feito aqui na Santa Montanha", acusou.

Por suas ações, e sua ênfase em laços étnicos, o Patriarca colocou todos os fiéis Gregos em uma terrível situação: "Você forçou a alma de todo Ortodoxo Grego a resolver o seguinte dilema: 'devotar-se ao amor do Deus-Homem Cristo, ou do heresiarca, o Patriarca do povo'", como escreveu São Cirilo de Alexandria para o herético Nestório, 1.600 anos atrás.

"E, é claro, Sua Santidade, o dano que você causou no Corpo de Cristo é uma rebelião contra o próprio Salvador", ousou escrever o Ancião Gabriel.

O longo reinado do Patriarca Bartolomeu não trouxe nenhuma paz ou conforto para os corações dos piedosos Ortodoxos, escreveu o Pe. Gabriel, mas somente àqueles que desejam destruir sistematicamente a Ortodoxia com a ajuda do Patriarca.

Sendo assim, o Ancião Gabriel concluiu com um chamado: "Arrependa-se e saia do largo e escorregadiço caminho pelo qual você constantemente anda", que danifica milhões de almas batizadas e a unidade intra-Ortodoxa. O Patriarca terá que responder por seus feitos algum dia, e o inferno está cheio de clérigos impenitentes e patriarcas, escreveu o Ancião.

“O Juízo Divino começa conosco — os da Igreja,” concluiu: “Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus? (1 Pedro 4:17). Portanto, Anda​​, Sua Santidade, enquanto tens luz, para que as trevas não te apanhem: quando ninguém pode trabalhar" (João 12:35; 9:4).

No mês de Agosto, o OrthoChristian noticiou a solicitação de orações pelo Ancião Gabriel, que tem estado com a saúde debilitada nos últimos meses.

  • Shqip
  • العربية
  • English
  • Français
  • Deutsch
  • Bahasa Indonesia
  • Italiano
  • Português
  • Русский
  • Español