O Patriarcado Ecumênico e a Glorificação do Cisma

"Ó Jerusalém, Jerusalém..." ou agora podemos lamentar: "Ó Constantinopla, Constantinopla!".

Antes você foi um defensor da verdadeira Ortodoxia, mas agora você começou a promover as agendas políticas mundanas. Antes você pregava sobre a pátria celestial, mas agora você ambiciona o poder terreno!

Levante-se! Não em defesa de seus próprios direitos e poderes, mas antes humildemente em defesa da Verdade e da Ortodoxia, então te seguiremos de bom grado!

Minha avó é completamente Grega e minha linhagem por seu lado remonta até a Capadócia, onde meus ancestrais viveram por eras (eles partiram durante uma mudança populacional). É muito encorajador saber que muitos Gregos (incluindo meus ancestrais) permaneceram como uma bigorna na Santa Ortodoxia sob o impiedoso martelo do domínio Turco Muçulmano.

Será que eles suportaram perseguição, o confisco de suas propriedades e até mesmo a morte pelo Trono Ecumênico de Constantinopla? Ou será que antes foi pela Verdade e pela Santa Ortodoxia? Sim, antes de tudo, foi pelo amor de Jesus Cristo e Sua Igreja, a Ortodoxia, que eles suportaram.

Ortodoxos Gregos, vocês não veem seus caros irmãos e irmãs Ortodoxos sofrendo bravamente na Ucrânia, assim como uma vez sofreram seus antepassados? Eles têm sido perseguidos pelas forças do Governo, por heréticos e nacionalistas radicais. Eles perderam os templos da igreja, foram obrigados a deixarem suas casas e foram até surrados - tudo pela mesma Santa Verdade que seus ancestrais guardaram. Agora, não ficariam vocês do lado de seus irmãos Ortodoxos? Ou seus antepassados os condenariam, a vocês e a seu silêncio? Porventura o sangue de Jesus Cristo na Santa Comunhão não une todos os Ortodoxos de um modo superior do que linhagens de sangue (apesar de sua grandeza)? Não somos todos nós a "raça Ortodoxa", por meio do batismo?

Com grande tristeza e pesar eu leio as notícias de que o Patriarcado Ecumênico (PE) pretende conceder o prêmio "Atenágoras de direitos humanos" ao cismático e falso "metropolita" Epifânio da ilegítima "igreja ortodoxa da Ucrânia". Esse ato é endossado pela Arquidiocese Grega da América e por seu Hierarca, o Arcebispo Elpidoporos, junto com um grupo similar aos Jesuítas chamado de "Archons".

Parece que agora tudo que alguém precisa fazer para ser um herói dos direitos humanos (será que agora Patriarcado Ecumênico diz respeito a toda humanidade também?) é "apoiar o Patriarca Ecumênico" (sem fazer perguntas).

Não tenho desafeição pelo PE, mas o PE não é a Ortodoxia, nem é o único padrão existente, tampouco um "primeiro sem iguais". O PE é chamado, assim como todo Patriarcado e cada Bispado, a manter o padrão da Ortodoxia. Esse padrão não está diretamente relacionado com um Patriarcado ou Bispado em particular. Todo Patriarca, Bispo, Sacerdote, Monge e Leigo está sujeito ao Evangelho e à Santa Ortodoxia (lembrem-se de quantas vezes o PE - e outros Patriarcados - esposaram doutrinas heréticas). O PE está atualmente promovendo uma falsa "igreja" como uma de verdade; esta atitude é errônea e contrária a Verdadeira Igreja.

Em vários artigos anteriores eu sublinhei o quão nefasta é a falsa igreja da Ucrânia, sendo possível conferir o link do artigo fornecido acima.

"Por seus frutos os conhecereis", diz o Senhor (Mateus 7:16). O testemunho do fruto da falsa igreja na Ucrânia, que é apoiada pelo PE, é de que ela não é Cristã. Seus "hierarcas" são na realidade lobos em pele de cordeiro, mercenários em paramento pastoral.

Tem o PE autoridade para passar por cima do Evangelho? Tem ele poder para tornar pedras em filhos de Israel? Não, ele não tem, pois apenas o verdadeiro arrependimento pode verdadeiramente mudar um homem pela graça.

Por que uma mentira está sendo promovida como verdade? A alegação é que, "na Ucrânia, ele (o sr. Epifânio) já providenciou a sabedoria salomônica que era necessária para a reunificação da Igreja, para o retorno da unidade Eucarística, e a estabeleceu como membro do grupo das Igrejas Ortodoxas autocéfalas do mundo".

Essa é uma alegação inaceitável e abertamente enganosa; cada ponto dela é falso. Os fatos são que Epifânio (e aqueles sob ele) causaram grande divisão e promoveram perseguições; ele agiu de modo não cristão. Será que agora é possível até mesmo ser um pagão de paramento, contanto que labutemos "como defensores das liberdades religiosas do Patriarcado Ecumênico [...]? O que é que se diz de tais "liberdades", quando se convoca falsos cristãos para defendê-las?

Teria o PE substituído Cristo, o Senhor, como o padrão da Santa Ortodoxia e a Cabeça da Igreja? Teria o objetivo de manter a aparente honra e prestígio do PE substituída a verdadeira vocação Cristã de ser um humilde servo de Cristo, o Senhor, e Sua Igreja?

"E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior.

E ele lhes disse: 'Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve'
" (Lucas 22:24-26).

A concessão deste "prêmio" para o falso "Metropolita" Epifânio é uma absoluta desgraça e farsa. Como pode um "Bispo" não canônico, com uma "ordenação" ilegítima, que encabeceia uma "igreja" que ativamente persegue (com atos violentos) a verdadeira, antiga e canônica Igreja Ortodoxa da Ucrânia, receber um prêmio de "direitos humanos" de um Patriarca Ortodoxo? As Escrituras dizem: "Se alguém diz: 'Eu amo a Deus', e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?" (1 João 4:20).

Estamos tão enamorados de nós mesmos que as Escrituras já não são mais relevantes? Vamos simplesmente louvar sepulcros caiados porque eles servem agendas políticas mundanas e ao engrandecimento? Permaneceremos em silêncio enquanto verdadeiros Cristãos sofrem e os falsos são exaltados? Ai de nós se perdermos nosso sal, pois seremos pisados até mesmo com nossos belos paramentos. Ai de nós quando chamamos o mal de bom. Tal atitude chama aquilo que é mal - cisma, divisão e perseguição - de bom. Ou como outro sacerdote já colocou: "de alguma forma, isso parece completamente demoníaco".

Aqueles que promovem e concordam com essas ações são, de fato, cúmplices nelas. Eles mesmos são facilitadores da perseguição da Verdadeira Igreja na Ucrânia; suas mãos também estão manchadas com sangue. Entrar em união com um grupo cismático significa que existe um comungar do mesmo espírito.

A glorificação de cismáticos é heresia.

Irão os outros Hierarcas Ortodoxos (ao redor do mundo, mas em especial na América, onde o prêmio deve ser entregue) falar contra esta nova maquinação do PE? Permaneceremos do lado do verdadeiro Hierarca da Ucrânia, Sua Beatitude Metropolita Onúfrio? Irão os Ortodoxos Gregos honrar sua louvável ancestralidade e herança falando em defesa de seus verdadeiros irmãos Ortodoxos na Ucrânia? Ou se tornarão como novos Turcos: cúmplices na ativa perseguição de irmãos Ortodoxos?