Passaportes de COVID São Desnecessários, Afirma o Porta-voz do Conselho da Federação Russa

“É errado separar as pessoas, dar-lhes direitos diferentes, com base nos resultados da vacinação”, disse a presidente do conselho da Federação Russa, Valentina Matvienko.

Quase 60% dos Russos se opõem aos passaportes de COVID, de acordo com uma pesquisa recente.

De acordo com a Presidente do Conselho da Federação Russa, Valentina Matvienko, não haverá necessidade de passaportes COVID na Rússia. Embora os registros médicos sejam mantidos em bancos de dados eletrônicos e os registros de vacinação sejam acessíveis, eles não são usados ​​para fins de discriminação ou concessão de quaisquer direitos especiais.

"Ninguém disse que a Rússia introduziria passaportes de COVID", ressaltou. “Seria inapropriado fazê-lo. É errado separar as pessoas, dar a elas direitos diferentes, com base nos resultados da vacinação”.

Presidente da Alta Câmara, Valentina Matviyenko, Presidente Vladimir Putin e Presidente da Duma, Sergei Naryshkin

Quase 60% dos Russos se opõem aos passaportes de COVID, de acordo com uma pesquisa recente realizada. Os resultados mostraram que 59% dos que responderam não apoiam a possível introdução de passaportes de COVID, 12% apoiam a iniciativa e 29% dos que responderam se abstiveram. Anteriormente, um grande estudo internacional descobriu que a maioria dos Russos questiona a segurança das vacinas.

O Ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, declarou abertamente que a Rússia não tornará a imunização contra o COVID-19 obrigatória.

"A presença ou ausência de vacinação contra o coronavírus não deve limitar os direitos dos cidadãos", disse Alexey Agranovsky, Doutor em Ciências Biológicas, Professor do Departamento de Virologia da Faculdade de Biologia da Universidade Estadual de Moscou. Ele sugere focar nos privilégios para aqueles que forem vacinados.

“Todos os que precisam urgentemente, e principalmente os que já estiveram doentes, devem poder viajar. A imunidade, segundo nossos dados, é efetiva em todas as cepas. Porém, há restrições de outros países. Para quem já foi vacinado , benefícios como descontos no transporte, podem ser proporcionados. Pode-se pensar em muitos privilégios de interesse da população. Isso é bastante viável”, disse.

Presidente da Alta Câmara, Valentina Matviyenko, sentada entre o Patriarca Cirilo e o Presidente Vladimir Putin

De acordo com as declarações acima, a Igreja Ortodoxa Russa ofereceu repetidamente declarações públicas, rejeitando a ideia da vacinação obrigatória.

Comentando a situação, o secretário de imprensa do Presidente da Federação Russa, Dmitry Peskov, observou que ainda não há uma posição oficial sobre o assunto. Ele diz que as negociações estão ocorrendo no âmbito de uma discussão de especialistas.

Fontes: aebrus.ru / tellerreport.com / balthazarkorab.com

MORE:Notícias