Femme Altare: Papa Permite que Mulheres Leiam a Missa, Mas Afirma que Elas Não Podem Ser Sacerdotisas

A mudança das leis canônicas foi anunciada pelo Vaticano na segunda-feira, quando da publicação da carta do Papa a um cardeal explicando a decisão. De agora em diante, os ministérios de leitor e acólito - papéis desempenhados por leigos durante a missa - também podem ser desempenhados por mulheres.

Nota do Editor: O artigo expõe na íntegra (ipsis literis) a tradução da matéria conforme noticiada pela rede de notícias RT, o que não significa que a equipe do Fé Russa assume a linguagem e a opinião deste artigo, que serve apenas para informar acerca dos últimos desenvolvimentos dentro da igreja católica romana.   


Reconhecendo a "preciosa contribuição" que as mulheres dão à Igreja Católica, o Papa Francisco permitiu formalmente que elas assumissem mais tarefas durante a missa. No entanto, o sacerdócio permanece reservado apenas aos homens, ele confirmou.

A mudança das leis canônicas foi anunciada pelo Vaticano na segunda-feira, quando da publicação da carta do Papa a um cardeal explicando a decisão. De agora em diante, os ministérios de leitor e acólito - papéis desempenhados por leigos durante a Missa - também podem ser desempenhados por mulheres.

De fato, as mulheres ao redor do mundo já vinham assumindo esses papéis há algum tempo, particularmente em comunidades com muito poucos homens para preenchê-los. Ainda assim, a afirmação formal da mudança é um passo significativo para a igualdade na Igreja Católica, pois priva os bispos da velha guarda das bases para proibir as mulheres de ler a missa.

"Não há nada de novo sobre as mulheres que proclamam a Palavra de Deus durante as celebrações litúrgicas, ou que realizam um serviço no altar como acólitos ou como ministros eucarísticos". Em muitas comunidades do mundo, estas práticas já são autorizadas pelos bispos locais", diz o informe.

Ao mesmo tempo, o Papa reafirmou que os ministérios ordenados, como o sacerdócio, permanecem reservados apenas aos homens. A decisão apenas deixou clara a distinção entre os ministérios ordenados e os leigos, observou o Papa Francisco.

"Estes ministérios estão situados dentro da dinâmica da mútua colaboração que existe entre estes dois sacerdócios, e sua natureza especificamente "leiga" tornou-se cada vez mais pronunciada, em conexão com o sacerdócio exercido por todos os batizados em virtude de seu batismo", observou ele.

A medida se deu a medida que o Vaticano permanece sob pressão para permitir que as mulheres sejam diaconisas - ordenadas sacerdotes do menor ranque, capazes de cumprir muitas das mesmas tarefas que os sacerdotes propriamente, incluindo o batismo e a presidência de funerais ou casamentos. No ano passado, o Papa estabeleceu uma comissão especial para analisar este assunto. Esta será a segunda investigação do Vaticano sobre a questão das diaconisas, pois o primeiro grupo de estudo, lançado em 2016, não conseguiu chegar a nenhum consenso.

Enquanto os defensores da idéia acreditam que tal mudança não só traria mais igualdade ao ministério, mas também ajudaria a administrar a escassez de sacerdotes observada em algumas partes do mundo, os tradicionalistas se opõem fortemente à iniciativa. Permitir que as mulheres se tornem diaconisas abriria o caminho para que elas se tornassem padres ordenados, dizem eles, o que considerariam grosseiramente inapropriado.


Fonte: rt.com (Inglês)

  • Shqip
  • العربية
  • English
  • Français
  • Deutsch
  • Bahasa Indonesia
  • Italiano
  • Português
  • Русский
  • Español