O Castigo Visitou Aqueles que Assassinaram o Último Czar Russo e Sua Família

Originally appeared at: Russia Insider

Com a finalidade de comemorar o 101º aniversário do martírio do Imperador Nicolau II e sua família, brutalmente assassinados por Judeus Bolcheviques na noite de 16/17 de julho de 1918, na casa Ipatiev, na cidade dos Urais de Ecaterimburgo, procissões e peregrinações aconteceram em toda a Rússia pós-soviética.

Os eventos memoriais incluíram liturgias e orações, conferências históricas, concertos de música sagrada e exibições. Dezenas de milhares de pessoas de toda a Rússia se reuniram em Ecaterimburgo para este evento anual.

O evento principal do Dia do Czar é a Divina Liturgia celebrada na Igreja sobre o Sangue (construída no local da Casa Ipatiev) na noite de 16 de julho. Ela foi seguida por uma procissão religiosa nas primeiras horas da manhã do dia 17 de julho, desde a Igreja sobre o Sangue em Ecaterimburgo até o Monastério dos Santos Mártires Reais em Ganina Yama (21km).

Cirilo, Patriarca de Moscou e toda a Rússia

Em 2012, pela primeira vez desde a construção da Igreja sobre o Sangue em Ecaterimburgo, uma vigília e Divina liturgia noturnas foram celebradas ao ar livre. Em 2018, também ignorados pela mídia Ocidental convencional, mais de 100.000 peregrinos da Rússia e de todo o mundo participaram da Liturgial Patriarcal e da procissão da cruz desde a Igreja sobre o Sangue até Ganina Yama.

Cirilo, Patriarca de Moscou e toda a Rússia

Um interessante fato da história foi a revelação do karma que visitou os indivíduos que, em 1918, direta ou indiretamente, assassinaram os chefes da Dinastia Romanov (1613-1917).

A Casa Ipatiev era uma casa de comércio em Ecaterimburgo (depois renomeada Sverdlovsk), na qual o antigo Imperador Nicolau II da Rússia (1868-1918), sua família e membros de sua casa foram executados [1] em julho de 1918, após a Revolução Bolchevique. Seu nome é idêntico ao do Monastério Ipatiev em Kostroma, o lugar onde os Romanov subiram ao trono. Em comemoração ao aniversário de 60 anos da Revolução Russa, em 1977, a casa foi demolida a mando do Politburo do Partido Comunista da União Soviética pelo governo soviético comunista local, quase 59 anos depois da execução da família Romanov e 14 anos antes da dissolução da própria União Soviética em 1990-1991.

Igreja Sobre o Sangue em Ecaterimburgo, construída no local em que a Casa Ipatiev antes ficava.

O sacerdote lembrou àqueles reunidos: "Neste terrível e santo lugar onde o sangue do Soberano Czar, o Ungido de Deus, e de sua família foi derramado, foi aqui, onde o mais terrível crime do século XX aconteceu, que o Templo sobre o Sangue floresceu".

A PROFECIA DE TIRAR O FÔLEGO "A Palavra de Deus falou com todos nós: eu estabelecerei a Igreja, e os Portões [do inferno] e ninguém permanecerão sobre ela. De fato, o sangue dos santos mártires é a semente santa da igreja. E o Templo que neste lugar floresceu faz um chamado ao arrependimento. E o Senhor, dizendo que Ele criaria a Igreja, e que os Portões [do inferno] e ninguém permanecerão sobre ela, testificou com isso que haveria luta contra a Igreja. Haverá guerra, mas a Igreja será invencível e permanecerá até a Segunda Vinda.

Todavia, aqueles que se rebelaram contra a Igreja, e até hoje rebelam, permanecem miseráveis. E vimos o que aconteceu. Sabemos pela história que após a prisão do Czar, distúrbios e guerras civis, fome artificial, repressão, Gulags, o Canal do Mar Branco, campo de trabalho Solovki e outras coisas mais seguiram, e então veio a Segunda Guerra Mundial.

E as pessoas que estavam em Leningrado foram as primeiras a se rebelarem contra o Czar, carregando pôsteres que diziam Abaixo o Czar! Depois elas provaram uma fome terrível durante os anos da guerra (o Cerco de Leningrado de setembro de 1941 - janeiro 1944). E esse tormento e morte durante a guerra provavelmente ecoa também o que aconteceu durante a revolução.

O caso é conhecido, visto que nos anos da União Soviética, quando houve um putsch na Hungria, tanques Soviéticos e paraquedistas suprimiram com sucesso o putsch, e o líder da Hungria, Imre Nagy, (1896-1958), que foi um famoso envolvido na execução da família Imperial, foi julgado e condenado.

E ele, sendo o chefe de estado, quando foi julgado na corte, condenado e ainda antes de sua execução, falou se dirigindo ao povo em suas últimas palavras: "Não sintam pena de mim! Sou um terrível criminoso! Eu participei na execução do Czar Russo".

Coincidência ou justiça? "Todos que participaram no massacre dos Romanov sofreram um castigo terrível por sua atrocidade, pelo sangue da família real e pelo sangue da guerra fratricida. Os Bolcheviques locais e aqueles que estavam longe de Ecaterimburgo, mas que deram a ordem para matar a família real, eles todos morreram, alguns de tifoide, alguns foram executados pelas mãos de seus colegas de partido, Sverdlov, Trotsky, Yurovsky e outros. A tempestade chegou até eles, destruindo por fim os Bolcheviques".