Temor e Tremor Diante de Deus é o Verdadeiro Caminho para a Liberdade

No início, bem como em toda a idade moderna, existe uma visão comum de Deus que prevaleceu na filosofia e na cultura em geral. É aquela em que Deus é visto como nada mais do que um Absoluto Moral. As expectativas desse tipo de Deus são limitadas apenas ao comportamento moral do homem. Adorá-lo significa mostrar amor, mas não medo ou apreensão.

Alguns defensores famosos dessa visão incluem o filósofo Alemão Immanuel Kant e o autor Russo Leo Tolstoy. Eles rejeitariam como superstição qualquer noção de temor de Deus e qualquer forma de Seu culto ritual.

Além disso, eles as condenariam como um atentado à dignidade humana e a negação de sua liberdade. Deus não é tão severo ou vingativo, eles diriam, a ponto de criar temor e tremor em Seu povo. Qualquer pessoa que segue o mandamento de amor de Deus pelos outros automaticamente adere a todos os outros ensinamentos de Deus. Deus não pode exigir ou esperar nada mais do que isso, de forma que isso não o tornaria nem bom nem misericordioso.

Certamente, essa percepção de Deus lisonjeia a mente humana. Na virada do séc. XXI, o homem criou uma civilização rica e poderosa. No entanto, sua vida se tornou muito ocupada para se lembrar de Deus o tempo todo. Conforto e prazer tornaram-se uma de suas principais atividades. Viver com um Deus amoroso é fácil, pois o amor é agradável e tangível. O temor não é - é intragável, desagradável e simplesmente desconfortável.

No entanto, a Escritura diz: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Salmo 111: 10). A pessoa começa a avançar em direção à sabedoria reconhecendo a grandeza e poder incomparáveis ​​de Deus e reconhecendo a vastidão de Suas capacidades em comparação com as humanas. Qualquer reivindicação humana de auto-suficiência é ofuscada pela verdade do Evangelho de Deus, que "dessas pedras pode levantar filhos para Abraão". É por causa dessas capacidades incomensuráveis ​​que o homem deve temer a Deus e reverenciá-lo.

Em última análise, será a decisão de Deus quem é salvo e quem não é. Somente Deus tem o poder supremo e terrível de perdoar e punir. O homem deve tratar a Deus com temor e tremor em face de Seu formidável poder. O apóstolo Paulo ensinou: “Operai a vossa salvação com temor e tremor” (Filipenses 2:12).

A ideia da supremacia de Deus é expressa em um de Seus títulos - o Senhor. É igualmente aplicável à Santíssima Trindade e a cada Pessoa Divina. No Grego antigo, esse significado era expresso pela palavra ὁ κύριος (Kyrios). É traduzido para o Russo como mestre, guardião, governante ou proprietário. Notavelmente, em Grego, está relacionado com a palavra τό κῦρος (Kyros), traduzida como poder ou regra. Na verdade, o Senhor é Aquele que tem poder e tutela genuínos. Referir-se a Deus como nosso Senhor é reconhecer Seu poder e Seu poder.

Em nossa era de liberdades e libertinagens, esse reconhecimento pode parecer inadequado. No entanto, talvez possa se tornar o primeiro passo para nossa liberdade genuína. Pois é dito que alguém que teme a Deus não teme outras pessoas.

  • Shqip
  • العربية
  • English
  • Français
  • Deutsch
  • Bahasa Indonesia
  • Italiano
  • Português
  • Русский
  • Español