A Quaresma É um Tempo Extraordinário para Aprender a Rezar Verdadeiramente

Os principais elementos da Grande Quaresma são a oração e o jejum. A oração pressupõe a fé. Uma pessoa que não reza está desamparada, insegura, cega e sozinha.

Eles estão presos à terra, à matéria, não sabem voar alto, navegar nos céus, ter a assistência celestial necessária. Estão magnetizados, presos, agarrados à terra perecível. Eles não se desprendem facilmente. Eles tentam valorizar a terra. Procuram constantemente prazeres, para fazê-los felizes, mas estes, pelo contrário, lhes causam dor. É triste e digno de lamentação vê-los buscando alegria na lama.

A ascensão ao céu começa com arrependimento, arrependimento sincero, remorso com compunção. Vale a pena sentir que você não foi criado para a lama. A empatia não o faz realmente feliz. A adesão ao além é um erro grave e tem custos com consequências amargas. Não é impossível subir mais alto do que os picos. É possível para todos. Enquanto o desejarem, enquanto o amarem. No início, estamos hesitantes, covardes, assustados, não queremos arriscar.

Na verdade, consideramos a oração elusiva, estranha, antinatural, impossível, não para nós. Pensamos que é um jogo inadmissível e resistente, que somos muito pecadores por tal coisa. A oração não é só para os santos. Mas se se reza modestamente e humildemente, começa-se a adoçar o coração, a ser iluminado, a ser fortalecido e a descansar. Eles sentem que rezar vale a pena. Sentem alegria, regozijo, segurança, empoderamento e conforto. Eles entendem que é uma grande necessidade da alma, de seu movimento físico, de seu funcionamento inerente. Torna-se um bom hábito e não um ato formal. Uma indulgência diária e um dom. Como o corpo precisa da alimentação diária para ser mantido, o mesmo acontece com nossa alma imortal. Não se pode amar a Deus e não se conectar com Ele, não falar com Ele e rezar. Pensam sempre n'Ele e O invocam. A memória de Deus é uma oração. Quando você se lembra de seu ente querido, você se alegra. A invocação divina é uma ocasião de grande alegria, paz e bênção.

Eles estão presos à terra, à matéria, não sabem voar alto, navegar nos céus, ter a assistência celestial necessária. Estão magnetizados, presos, agarrados à terra perecível. Eles não se desprendem facilmente. Eles tentam valorizar a terra. Procuram constantemente prazeres, para fazê-los felizes, mas estes, pelo contrário, lhes causam dor. É triste e digno de lamentação vê-los buscando alegria na lama.

A ascensão ao céu começa com arrependimento, arrependimento sincero, remorso com compunção. Vale a pena sentir que você não foi criado para a lama. A empatia não o faz realmente feliz. A adesão ao além é um erro grave e tem custos com consequências amargas. Não é impossível subir mais alto do que os picos. É possível para todos. Enquanto o desejarem, enquanto o amarem. No início, estamos hesitantes, covardes, assustados, não queremos arriscar.

Na verdade, consideramos a oração elusiva, estranha, antinatural, impossível, não para nós. Pensamos que é um jogo inadmissível e resistente, que somos muito pecadores por tal coisa. A oração não é só para os santos. Mas se se reza modestamente e humildemente, começa-se a adoçar o coração, a ser iluminado, a ser fortalecido e a descansar. Eles sentem que rezar vale a pena. Sentem alegria, regozijo, segurança, empoderamento e conforto. Eles entendem que é uma grande necessidade da alma, de seu movimento físico, de seu funcionamento inerente. Torna-se um bom hábito e não um ato formal. Uma indulgência diária e um dom. Como o corpo precisa da alimentação diária para ser mantido, o mesmo acontece com nossa alma imortal. Não se pode amar a Deus e não se conectar com Ele, não falar com Ele e rezar. Pensam sempre n'Ele e O invocam. A memória de Deus é uma oração. Quando você se lembra de seu ente querido, você se alegra. A invocação divina é uma ocasião de grande alegria, paz e bênção.

Sem oração, a alma permanece sem fôlego, fraca, doente. A oração dá saúde espiritual, equilíbrio, discernimento, iluminação e santificação. A oração protege contra o pecado. Aquele que reza tem uma conversa com Deus e não se envolve com coisas vãs. Aprende a humildade, a mansidão, a simplicidade e o amor. Aquele que reza é um filho amado de Deus. Um grande presente de Deus para o homem é a oração. Este período da Quaresma é uma extraordinária oportunidade para aprender a rezar verdadeiramente.


Fonte: johnsanidopoulos.com (Inglês)