"O Pecado Faz as Pessoas Covardes, Portanto É Essencial Encontrar a Força para se Arrepender", Diz Bispo Ortodoxo

O propósito do jejum é matar o pecado que jaz na pessoa.

Antes da Grande Quaresma, a Igreja encoraja os fiéis a pensar sobre os eventos da expulsão de Adão do Paraíso por uma razão, porque eles dizem respeito a todos, disse ontem Sua Beatitude o Metropolita Onúfrio de Kiev e Toda a Ucrânia, relata o Departamento de Informação e Educação da Igreja Ortodoxa Ucraniana.

"Todos deveriam perceber sua inferioridade sem Deus e perdoar seus vizinhos, e pedir-lhes perdão por si mesmos. Sem isso, um Cristão não virá a se arrepender. O arrependimento é precisamente o objetivo principal do jejum", disse o Primaz da Igreja Ortodoxa Ucraniana.

"O pecado faz as pessoas covardes", observou o Metropolita. É por isso que Adão e Eva não perceberam imediatamente sua queda e começaram a se justificar, em vez de pedir perdão a Deus".

"Nem Adão nem Eva disseram estas duas palavras: "Senhor, perdoa-me!". Devido à falta de arrependimento, ocorreu uma tragédia para a raça humana: as pessoas se tornaram incapazes de viver no Paraíso", disse Sua Beatitude o Metropolita Onúfrio.

Fora do Paraíso, as pessoas começaram a sentir sua distância de Deus e sua fragilidade sem Deus. "Este foi o início do arrependimento", acrescentou o Metropolita.

"Os Santos Padres dizem que por causa da quebra do jejum perdemos o Paraíso, através da observância do jejum recuperamos o Paraíso para nós mesmos. Para jejuarmos da maneira correta, devemos nos reconciliar entre nós. O propósito do jejum não é destruir a nós mesmos, mas destruir o pecado que vive em nós", disse Sua Beatitude o Metropolita Onúfrio.

Se uma pessoa não pode perdoar seu próximo, ela não receberá a remissão dos pecados. "Se eu não posso perdoar meu próximo, então não posso receber o perdão de Deus", explicou Sua Beatitude o Metropolita Onúfrio.

O Metropolita encorajou os presentes a se obrigarem a perdoar ao próximo: "Mesmo que seu coração seja contra, você ainda precisa pronunciar as palavras de perdão com seus lábios, e depois dizê-lo com seu coração: 'Senhor, tu sabes, eu quero perdoar, mas tu vês como sou mimado pelo pecado, que meu coração não o permite. Perdoa-me, Senhor, ensina-me o coração para que ele possa perdoar as pessoas'. É assim que devemos combater nossa cólera".

Obviamente, não se pode vencer a raiva em um dia, mas é preciso fazer todo o esforço: "Uma pessoa que faz um esforço certamente afastará a malícia de sua alma", disse Sua Beatitude o Metropolita Onúfrio.