O Ensino “Secreto” de Jesus Sobre o Homossexualismo

Originally appeared at: Stand to Reason

Gostaria que você pensasse por um instante sobre o que podemos aprender com o ensino de Jesus sobre o homossexualismo. Bem, eu sei o que você provavelmente está pensando. "Que ensino? Jesus nunca disse nada sobre homossexualismo". Em certo sentido você estaria certo...

Muitas pessoas apontam isso, é claro, e está claro onde eles querem chegar. Se Jesus não condenou especificamente o homossexualismo - ou o casamento do mesmo sexo ou transgenerismo, etc. - então como os Cristãos podem condenar essas mesmas coisas?

Então, à luz desse desafio, eis aqui está minha pergunta. O que podemos concluir de concreto do fato de que o registro acerca da visão de Jesus sobre o homossexualismo é silencioso? A resposta é simples. Nada. Nada mesmo.

Na realidade, existem duas falhas nessa abordagem. Aqui vai a primeira: Há uma diferença entre o silêncio do registro acerca da opinião de Jesus sobre algo e o silêncio de Jesus sobre isso. Lembre-se, a vasta maioria do que Jesus disse e fez foi deixada de fora dos Evangelhos. Não há espaço suficiente, como o próprio João admite (Jo 21:25).

O silêncio é significativo? Pense nisso. O registro também omite a visão de Jesus sobre escravidão, pena capital, abuso conjugal, tráfico sexual, racismo, abuso infantil e violência contra gays, para citar algumas coisas. Deduzimos desse “silêncio” que Ele aprovou essas coisas?

Veja o problema. É difícil concluir qualquer coisa sobre o que Jesus não condenou com base em um registro escrito limitado do que Ele condenou.

Observe que eu disse difícil, não impossível. Às vezes, podemos inferir a opinião de Jesus sobre algo de que não temos registro, ouvindo atentamente a sua opinião sobre algo relacionado que Ele ponderou. Isso nos leva à segunda falha dessa abordagem.

Acontece que Jesus tinha fortes convicções sobre assuntos intimamente relacionados às chamadas questões “pélvicas”. Jesus condenou o divórcio, por exemplo, e fez isso por um motivo muito específico. Eis aqui o que Ele disse:

Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: "Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne"? [Gn 2:24] Assim não são mais dois, mas uma só carne. (Mt 19:4-6)

Observe três conclusões críticas do ensino de Jesus sobre o divórcio.

Primeiro, Jesus afirmou a observação do senso comum de que o gênero humano é binário. Os seres humanos são homens ou mulheres. Deus os projetou dessa maneira (Gn 1:27). É assim que nos reproduzimos ("Frutificai e multiplicai-vos", Gn 1:28). Algumas pessoas estão confusas sobre esse ponto hoje em dia, mas Jesus não se confundiu.

Em segundo lugar, o casamento é entre um homem e uma mulher, um homem e uma mulher. Ponto final. Não entre dois homens ou duas mulheres (casamento do mesmo sexo) ou uma mistura de homens e mulheres (poligamia ou poliamor). De acordo com Jesus, é o que Deus pretendeu desde o início, e Ele ainda pretende hoje. Para Cristo, qualquer desvio distorce o propósito de Deus.

Terceiro, o único tipo de sexualidade (“uma só carne”) apropriada é o sexo entre um homem e uma mulher comprometidos um com o outro por toda a vida no casamento. Por outro lado, todas as formas de sexo expressamente proibidas na Bíblia - adultério, fornicação, homossexualidade e bestialidade - são automaticamente desqualificadas pelo raciocínio de Jesus. Seu único e simples princípio exclui todos eles.

Esta é a melhor maneira que encontrei de resumir a visão de Jesus sobre casamento, sexualidade e gênero: Um homem, com uma mulher, tornando-se uma só carne por toda a vida. Bem direto. Este resumo de uma frase cobre todas as bases.

Portanto, parece que Jesus tinha muito a dizer sobre a questão da homossexualidade - e do casamento entre pessoas do mesmo sexo e disforia de gênero. Se realmente nos importamos com o que Jesus pensa, então os pontos de vista dele deveriam ser os nossos também. Eu me pergunto, a propósito, se Jesus tivesse condenado essas coisas explicitamente, isso mudaria a opinião dos críticos? Eu duvido. Se não, então por que levantar a questão em primeiro lugar?

Duas lições aqui. Primeiro, tenha cuidado ao argumentar sobre o silêncio. Existem perigos se você não fizer isso com cuidado. Em segundo lugar, está claro que Jesus se opôs implicitamente à homossexualidade, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e ao transgenerismo. Por quê? Eles violam o propósito do Pai estabelecido desde o início. Os críticos não obterão conforto de Cristo.

Então, aqui está a nossa lição: Olhe atentamente para os detalhes da Palavra de Deus, pense cuidadosamente sobre todo o conselho das Escrituras e, em seguida, tire suas conclusões. É a maneira mais segura de garantir que suas idéias correspondam às idéias de Jesus.