Grande Santo Grego Descobre Sobre Sua Doença Mortal e Sua Resposta é Espantosa (São Paísios)

A resposta do Ancião Paísios quando informado sobre sua morte iminente ainda espanta muitas pessoas.

Originally appeared at: The Catalogue of Good Deeds

São Paísios (1924-1994), nascido ​​​Arsênio Eznepidis, foi um famoso asceta do Monte Athos. Ele era altamente respeitado e amado por seu direcionamento espiritual e vida ascética. Muitas pessoas em todo o mundo veneram o Ancião Paísios, especialmente na Grécia e na Rússia, e seus dizeres - documentados por seus dedicados alunos - se tornaram extremamente comuns nos lares Ortodoxos. As palavras de São Paísios, singulares em sua simplicidade, gentileza e realismo, parecem ser exatamente o que as pessoas modernas desesperadamente precisam (alguns livros em Inglês podem ser encontrados na Amazon).


– Geronda ["geronda" é a palavra Grega para Ancião - Ed.], o diagnóstico final foi emitido. Seu tumor é cancerígeno e agressivo.

– Traga-me um lenço, a fim de que eu dance ao som desta música: "Adeus, ó pobre mundo!". Eu nunca dancei na minha vida, mas agora eu dançarei de alegria, pois minha morte se aproxima.

– Geronda, o doutor disse que primeiro ele quer usar radiação para encolher o tumor e depois realizar a cirurgia.

– Eu compreendo! Primeiro a força aérea bombardeia o inimigo e depois o ataque começa! Eu subirei, portanto, e trarei notícias para vocês! Algumas pessoas, até mesmo as idosas, quando são ditas pelo médico: "Você vai morrer", ou "Você tem cinquenta por cento de chance de sobreviver", ficam muito perturbadas. Elas querem viver. E depois o que, eu me pergunto? Agora, se alguém é jovem, bem, isso é justificável, mas se alguém é velho e ainda assim desesperadamente se agarra à vida presente, bem, isto eu não entendo. Claro, é muito diferente se alguém deseja se submeter àlguma terapia a fim de controlar a dor. Ele não tem interesse em estender a vida; ele apenas quer fazer com que a dor seja um pouco mais suportável, para que possa cuidar de si até que morra: isto faz sentido.

– Geronda, estamos orando para que Deus te dê uma estensão de sua vida.

– Por quê? Por acaso o Salmista não diz: "Os dias da nossa vida chegam a setenta anos"?

– Mas depois o Salmista acrescenta: "e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos..."

– Sim, mas depois ele acrescenta: "o orgulho deles é canseira e enfado". Diante do que é melhor possuir a paz da outra vida.

– Geronda, pode alguém, por humildade, sentir-se despreparado para a outra vida e desejar viver um pouco mais a fim de se preparar?

– Isso é uma coisa boa, mas como poderá ele saber que, ainda que viva mais tempo, não venha a se tornar espiritualmente pior?

– Geronda, quando podemos dizer que uma pessoa está reconciliada com a morte?

– Quando Cristo vive dentro dela, então a morte é uma alegria. Contudo, ela não deve se alegrar na morte apenas porque está cansada desta vida. Quando você se rejubila na morte, da forma correta, a morte vai atrás de alguém que tem medo! Quando você quer morrer, isso não acontece. Qualquer que viva uma vida tranquila teme a morte, porque se agrada com a vida mundana e não deseja morrer. Se as pessoas falam a ele sobre a morte, ele reage com negação: "Sai pra lá!". Contudo, qualquer que sofra, qualquer que esteja em dor, este vê a morte como uma libertação e diz: "Que pena, Caronte ainda não veio me buscar... alguém deve tê-lo detido!".

Poucos são os que dão boas-vindas à morte. A maioria das pessoas ainda possuem assuntos inacabados e não desejam morrer. Entretanto, o Bom Deus providencia para que cada pessoa morra quando está completamente madura. De qualquer forma, uma pessoa espiritual, seja jovem ou velha, deve se alegrar tanto com a vida quanto com a morte, sem jamais buscar a morte, pois isso é suicídio. Uma pessoa que está morta para assuntos mundamos e foi espiritualmente ressuscitada, nunca tem agonia, medo ou ansiedade, pois ela espera a morte com alegria, porque ela estará com Cristo e se alegrará em Sua presença. Contudo, ela também se alegra por estar viva, isso porque, outra vez, mesma agora ela está unida com Cristo e experimenta uma porção da alegria do Paraíso aqui na terra, se perguntando se maior alegria há no Paraíso do que essa que ela sente na terra. Tais pessoas se esforçam com filótimo (palavra de difícil tradução que invoca a busca por honra, pelo que é direito, justo etc. - N.T.) e abnegação; e porque eles colocam a morte diante de si mesmos e dela se lembrar todos os dias, eles se preparam mais espiritualmente, se esforçando com ousadia e derrotando a vaidade.