É Necessário Voltar-se Para o Diácono Durante o Incensar?

Pergunta de um leitor:

Olá. De onde veio essa nova tendência - seguir o Diácono quando ele incensa a igreja? Vamos ao templo para orar ou agir como agulhas de uma bússola? Por que os sacerdotes não explicam esse ponto aos paroquianos nos templos e igrejas?

~ Venceslau

Foto: Vladimir Eshtokin


O Padre Sergiy Savenkov responde:

Caro Venceslau, o incensar é uma tradição antiga da Igreja Cristã.

Quando um Diácono ou Sacerdote incensa os adoradores, eles se curvam diante dele, mostrando sua humildade diante da graça do Espírito Santo, que é transmitida a eles através do incenso. São Simeão de Tessalônica escreveu da melhor forma sobre o significado do incenso: “O Sacerdote, entretanto, incensa o altar, o templo e todos aqueles que oram, honrando as coisas sagradas como objetos divinos e santificando os que estão por vir. Portanto, começando com o santo dos santos - o altar - ele incensa tudo em ordem, não apenas queimando incenso, mas apossando-se e santificando-o e, por meio da oração, trazendo-o e elevando-o a Cristo, de modo que o incensário seja aceito no alto [isto é, no céu] e que a graça do Santíssimo Espírito seja enviada a nós. Assim, por meio do incenso, aceitamos a graça e ninguém negligencia o incensário” (A Sabedoria de Nossa Salvação / São Simeão de Tessalônica- M.: Blagovest, 2010. - 640 p. [Pergunta 273. Sobre o seguimento das Matinas, e acima de tudo isso significa a abertura das portas do templo, a entrada no seu interior e o incenso]).

Você realmente não precisa seguir o Diácono, apenas faça uma leve reverência. Infelizmente, o excesso de zelo leva as pessoas a agir precipitadamente. Na maioria dos casos, as regras de conduta no templo são passadas oralmente dos paroquianos “mais velhos” para os “mais jovens”, de modo que hábitos e preconceitos são transmitidos de geração em geração. Muitos sacerdotes falam muito e frequentemente com as pessoas sobre como se comportar na igreja e especialmente nos serviços divinos, mas nem todos os ouvem.

Nos sacramentos da igreja, a graça do Espírito Santo é transmitida a nós por meio de alguma substância. Por exemplo, borrifando água consagrada ou sendo ungido com óleo consagrado. Isso é feito porque a Igreja nos ensina sobre a unidade do homem dessa forma. Os pagãos consideravam o corpo a prisão da alma e o negligenciavam de todas as maneiras possíveis. Os primeiros Cristãos tinham pensamentos semelhantes, então o apóstolo Paulo teve que explicar a visão Cristã da unidade do homem: “Que o próprio Deus de paz vos santifique completamente, e que toda a vossa natureza, espírito, alma e corpo, possam ser perfeitamente conservados para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5:23).

Antes de incensar, o Diácono sempre se dirige ao Sacerdote com um pedido para abençoar o incensário, pois o incenso não é apenas aromatização da sala, mas consagração, assim como a aspersão com água benta não se faz para umedecer o ar.

Eis aqui a oração do sacerdote antes do incensar:

“Trazemos o incensário a Ti, Cristo nosso Deus, como uma fragrância espiritual, para que seja recebido em Teu altar celestial, e nos envie a graça de Teu Santíssimo Espírito”.

Paz e alegria do Senhor!