Arcipreste Antioquiano DETONA as Pretensões Papistas do Patriarca Bartolomeu

"Se algum hierarca reivindica hoje ser o Primeiro SEM Iguais, isso é uma expressão Ortodoxa pura e simples do PAPISMO, e deve ser condenada de coração por todos os fiéis Cristãos Ortodoxos que desejam preservar a UNIDADE da Una Santa Igreja Católica e Apostólica. Fazer o contrário é encorajar cismas e coisas piores..."

Nota do Editor: O Patriarca Bartolomeu - o atual Patriarca de Constantinopla - afirma arrogantemente ser o "Primeiro Sem Igualdade", presumivelmente governando toda a Igreja Ortodoxa em todo o mundo. O Pe. Emmanuel Hatzidakis abordou esta heresia em seu artigo - O PAPA ORIENTAL: Patriarca Bartolomeu um Monarca, Análogo a Deus Pai?

No artigo seguinte, o Pe. James Bernstein - um arcipreste bem conhecido dentro da Igreja Ortodoxa de Antioquia - explica por que a Igreja Ortodoxa nunca aceitou, e nunca aceitará, tais afirmações.


"Primeiro sem iguais?" A Igreja Ortodoxa NUNCA teve um Patriarca que foi o primeiro SEM iguais.

Antes do Grande Cisma, o Papa de Roma (Velha Roma) foi considerado o primeiro ENTRE iguais. Ele detinha Primazia, não Supremacia, era Falível, não Infalível, e tinha apenas Jurisdição Local, não Jurisdição Universal.

Nenhum Papa de Roma convocou, oficiou ou mesmo participou de um Concílio Ecumênico antes do grande cisma de 1054 A.D. As decisões desses Concílios Ecumênicos, embora vinculantes para todos, não foram submetidas ao Papa como se ele fosse o árbitro FINAL da verdade.

Após o Grande Cisma em 1054, o Papa cada vez mais afirmava ser o primeiro SEM iguais. Por exemplo, no Catolicismo Romano atual:

«Apenas o Papa tem o direito de convocar, suspender e dissolver um Concílio Ecumênico; ele também o preside ou escolhe outra pessoa para fazê-lo e determina a agenda (cân. 338). A vacância da Santa Sé suspende automaticamente um Concílio Ecumênico. As leis ou ensinamentos emitidos por um Concílio Ecumênico requerem a confirmação do Papa, o único que tem o direito de promulgá-los (cân. 341). O papel do Papa em um Concílio Ecumênico é uma característica distinta da Igreja Católica".

https://en.wikipedia.org/wiki/Synod

Antes do Grande Cisma, a Igreja Ortodoxa nunca afirmou ter um Patriarca que fosse primeiro SEM iguais.

Houve várias vezes em que os Patriarcas se tornaram heréticos. Um excelente exemplo é o Patriarca de Constantinopla Nestório, que deu nome à heresia do Nestorianismo.

Nenhum dos sete Concílios Ecumênicos Ortodoxos foi convocado pelo Papa ou pelo Patriarca Ecumênico (eles eram normalmente convocados pelo Imperador).

O 4º Concílio de Constantinopla (879-880), que condenou o Filioque, e o 5º Concílio de Constantinopla (1341-1351), que confirmou a distinção essência/energia e sustentou o hesicasmo e São Gregório Palamas, [estes] também foram Concílios Universais, vinculando a Igreja mundial. Não houve a necessidade de nenhum Papa para convocar esses Concílios.

Se algum hierarca reivindica hoje ser o Primeiro SEM Iguais, isso é uma expressão Ortodoxa pura e simples do PAPISMO, e deve ser condenada de coração por todos os fiéis Cristãos Ortodoxos que desejam preservar a UNIDADE da Una Santa Igreja Católica e Apostólica. Fazer o contrário é encorajar cismas e coisas piores.  Senhor, tem piedade!

Que Deus abençoe,
Pe. James Bernstein

  • Shqip
  • العربية
  • English
  • Français
  • Deutsch
  • Bahasa Indonesia
  • Italiano
  • Português
  • Русский
  • Español