Ancião Tadeu de Vitovnitsa: O Ar do Céu e o Ar do Inferno

Originally appeared at: The Catalogue of Good Deeds

O homem que abraçou o Reino de Deus irradia pensamentos santos que vêm de Deus. O papel do Cristão no mundo é purificar o universo do mal e espalhar o Reino de Deus.

Este mundo deve ser conquistado preservando o Céu em nossas próprias almas, pois se perdermos o Reino de Deus dentro de nós, não ajudaremos os outros nem seremos salvos. Aquele que carrega o Reino de Deus dentro de si, o transmite aos outros de maneira invisível. As pessoas são atraídas por nosso calor e serenidade. Eles querem estar conosco e absorvem o ar do céu. Você não precisa falar sobre isso. O céu brilhará através de nós mesmo quando ficarmos em silêncio ou falarmos sobre as coisas mais comuns; ela brilha através de nós, mesmo que não percebamos.

Um homem que pensa que sabe tudo é um homem teimoso, e ninguém pode ensinar um homem teimoso.

Ninguém pode ter vários conselheiros espirituais: só é possível ter um único conselheiro espiritual e obedecê-lo em tudo o que fizer. A pessoa obstinada não entrará no reino dos céus, pois sempre se empenhará em fazer o que deseja e não o que Deus deseja. Não pode haver nenhuma "servidão pessoal” no Reino dos Céus. Isso era o que os espíritos caídos queriam ter e, portanto, se afastaram de seu Senhor, o Rei da Glória.

Veja, nosso planeta está caminhando para o seu fim. Tudo o que aconteceu até agora, e especialmente tudo o que está acontecendo agora, está acontecendo incrivelmente rápido. O Reino Celestial, o Paraíso, assim como o Inferno, é um estado de espírito. Às vezes estamos no inferno e às vezes no paraíso. Quando estamos de mau humor, é como o inferno: não temos trégua nem alívio. Quando nossos corações estão felizes, sentimo-nos como se estivéssemos no Paraíso. É por isso que temos que trabalhar constantemente para uma oração melhor. Existem poucas pessoas na terra que recebem graça de graça.

A alma presa no círculo dos pensamentos caóticos experimenta os tormentos do inferno. Por exemplo, folheamos os jornais ou caminhamos pelas ruas da cidade e, de repente, sentimos que algo está quebrado dentro de nós. Sentimo-nos vazios e tristes. Isso acontece porque ao ler sobre coisas diferentes perdemos nosso foco. Nossa mente se dispersou e o ar do inferno se infiltrou nela.