A Aceitação da Homossexualidade Pelo Papa Revela a Essência Negra do Catolicismo Romano

O espírito do Catolicismo Romano foi revelado. Muitos santos Ortodoxos escreveram sobre isso, descrevendo o Catolicismo Romano como uma "corporação política" e uma "ilusão demoníaca", identificando o Papa como "o primeiro Protestante".

Nesta conversa com o Dr. Alexei Osipov, um honrado Professor da Academia Teológica de Moscou, descobrimos que o anúncio público do Papa sobre a aceitação de casais homossexuais nada mais é do que - finalmente - uma declaração aberta sobre o que é o Vaticano e o que é a religião católica...

N. Bulchuk: As últimas notícias sobre a declaração do Pontífice Romano, o Papa Francisco, sobre a aceitabilidade da aprovação da Igreja das chamadas "famílias homossexuais", literalmente chocaram até mesmo aquelas pessoas que ainda acreditavam que a Igreja Católica iria reter pelo menos migalhas de prudência (não tocamos agora nos momentos doutrinários) - mas de mera prudência humana. Aqui estão as verdadeiras palavras do Papa: “Os homossexuais têm direito a uma família. Eles são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deveria estar infeliz por causa disso..."

A. I. Osipov: Bem, esta declaração do Papa não é a primeira, de fato, sobre este tema. Essas declarações dele já causaram espanto no início, depois protestos e depois indignação. Mas, aparentemente, este último se distingue por uma mentalidade especial, graças à qual, provavelmente, ele fora eleito. Falando do ponto de vista da Providência de Deus agindo no mundo, chegou a hora, enfim, de todos aqueles que ainda não compreenderam o que é o Vaticano, o que é o Catolicismo - chegou a hora de chamá-lo pelo seu nome própio.

O espírito pelo qual vive o Vaticano foi revelado.

Muitos de nossos santos já escreveram sobre isso. Não foi à toa que Santo Teófano, o Recluso (Govorov) chamou a Igreja Católica de "corporação política", Khomyakov chamou o Papa de "o primeiro Protestante", Santo Inácio (Brianchaninov) disse que o ensino da Igreja Católica sobre a vida espiritual é completamente o que os Santos Padres chamam de "ilusão demoníaca". Ele apontou, em particular, para aqueles santos que os Católicos veneram e que são o ideal para muitos Católicos.

Então, veja, isso é realmente, como muitos dizem, o que Francisco agora anunciou publicamente, isso nada mais é do que, finalmente, uma declaração aberta sobre o que é o Vaticano, o que é a religião Católica.

N. Bulchuk: Mas qual é a novidade e o perigo desta última declaração, Alexey Ilyich?

A. I. Osipov: Acontece que hoje o Papa está questionando os princípios mais fundamentais da moralidade, o ensino moral Cristão. Isso não é surpreendente, porque, começando com o Papa João XXIII (ele morreu em 1963), todos os papas subsequentes usaram a mesma frase, que ninguém jamais havia usado antes deles (antes de João XXIII). É claro, o Papa Francisco repete isso com força e ênfase especiais.

N. Bulchuk: Que frase é essa?

A. I. Osipov: O fato é que João XXIII foi o primeiro a visitar a Sinagoga Romana, e para todo o mundo ele disse: "Vocês são nossos irmãos mais velhos". Além disso, não estamos falando aqui de Judeus, mas de Judaísmo, para o qual Jesus Cristo é um falso messias. Porque Ele chama as pessoas ao Reino de Deus, que “está dentro de nós”, e não ao Reino de Deus, que as pessoas sonham em construir na terra.

Então, todos esses são passos naturais. Francisco agora declara - ele declara diretamente - isto é novamente uma declaração sem precedentes: "Nós e os Judeus acreditamos em um só Deus".

O que esta frase indica? Que Cristo não é ninguém para Francisco! Você e nós acreditamos em que Deus? Em Jesus Cristo, que é a imagem do Deus invisível. Aqui, Ele, Deus, apareceu na forma mais acessível ao conhecimento humano!

Agora pense no que Francisco diz: "Temos um só deus em comum com os Judeus". Ou seja, é possível acreditar em “um só deus” sem reconhecer Cristo? Chamando Cristo de falso messias?

Então, você vê, como as verdades dogmáticas ou (o que é mais compreensível para o público em geral) doutrinais estão relacionadas com o ensino moral do Cristianismo.

Agora... O Papa Francisco expressou, repetidamente, por meio de pistas, de uma forma e de outra, baseado no contexto, seu ponto de vista sobre este assunto. Contudo, agora ele declarou abertamente sua opinião. Isso, é claro, entusiasmou muitas pessoas.

Mas peço que vocês não se surpreendam e olhem para o estado espiritual pessoal dele: como ele demonstra sua humildade na frente de todo o mundo, na frente das câmeras, por exemplo, beijando os pés de refugiados ou negros, além de outras "forças" ostentosas que ele lança fora. É o fim do Vaticano! É hora, talvez, para os Ortodoxos prestarem muita atenção a isso.

N. Bulchuk: Mas imediatamente vem à mente a figura do Patriarca Ecumênico Bartolomeu, que recentemente esteve muito próximo do Papa Francisco...

A. I. Osipov: Ultimamente ele tem voado para Roma com certa frequência, e só se comunica com os prelados Romanos. Com isso ele obviamente demonstra seu espírito.

Você vê o perigo que está diante de nós, diante da Ortodoxia! Afinal, esta, ao que parece, é Constantinopla, a Igreja primordial, e o que ela está fazendo!

Não é por acaso, aliás, que Constantinopla recentemente não só assumiu tal posição, mas essencialmente entrou em cisma: isso é o que significa - comunhão com o espírito do mundo, com o espírito do Catolicismo!

N. Bulchuk: Aleksey Ilyich, isso significa que agora a Igreja Católica revisará algumas de suas doutrinas? Sabemos que ela atualmente ensina que “tratemos os homossexuais com respeito”, mas se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A. I. Osipov: Tudo está acontece gradualmente. Diz-se algumas coisas ao mesmo tempo, chama-as pelos próprios nomes - depois você pode ficar chocado. Então gradualmente você se deparará com isso.

Veja, no século XIX, um médico Italiano (não me lembro seu nome) disse que quando a humanidade chama o aborto de uma ocorrência comum, você deve saber que um desastre completo se instalou! Assim, afinal, aos poucos, aos poucos, tudo isso já se tornou lugar-comum. Alguém repreende, alguém defende - e de fato, muitos deles também são Cristãos. Veja - o sacerdócio feminino... essas "famílias homossexuais" como são chamadas... Vou ler uma mensagem aqui: em algum lugar da Finlândia está acontecendo uma conferência na qual Padres Ortodoxos (Ortodoxos!) irão atuar como defensores desse fenômeno!

Aqui as pessoas costumam ficar confusas: Sim, Deus ama a todos igualmente, isto é uma coisa, mas amor não é a única coisa que Deus tem. Mas Deus é amor... O sol brilha igualmente para todos - é verdade. Que haja um só e o mesmo sol para todos também é uma verdade. Entretanto, como nos relacionamos com isso? Portanto, não há necessidade de citar aqui que somos todos “filhos do mesmo Pai”, mas precisamos nos lembrar daqueles mandamentos que o Senhor nos deu.

Você sabe, Ele também deu a lei. Veja o que as Escrituras têm a dizer sobre a homossexualidade. Muito obviamente - francamente - basta ler a Epístola do Apóstolo Paulo aos Romanos, o que mais é necessário para um Cristão?! No entanto, observamos quão gradualmente tudo isso é ignorado.

Penso que muito em breve o Vaticano não falará sobre isso com a precisão do Papa de agora, mas o aceitará amplamente como uma das teses de sua fé. Mas aqui o veneno já está penetrando na Ortodoxia! Agora o mundo é muito pequeno, está ficando cada vez mais estreito. Portanto, já estou preocupado não apenas com o fato de que o Vaticano está mostrando sua verdadeira face, mas estou muito mais preocupado que nossa Ortodoxia possa estar sob a plena influência de todos esses fenômenos.

Não devemos esquecer o que disse São Filareto de Moscou: "Nem uma única Igreja local está garantida como protegida de desvios e quedas". A igreja Romana é um excelente exemplo disso.

Portanto, não é nem mesmo Francisco que me preocupa, mas nossa Ortodoxia me preocupa muito mais. Porque também vemos exemplos deles aprovando o que o próprio Deus proíbe!

Fonte: https://pravlife.org/ru/content/prishlo-vremya-nazvat-veshchi-svoimi-ime...(Russo)